Pessoas comprometidas, entendam: vai ver eu não quero ter a vida de vocês

Eu tinha uma amiga na época da escola que era uma das minhas melhores amigas. A gente conversava todos os dias, a gente gostava das mesmas coisas, a gente saía sempre. A gente tinha piadas internas, a gente fazia planos, foi com ela que a minha adolescência teve alguns de seus melhores momentos. Com o fim do colegial, a gente se afastou um pouco, porque as vidas mudam, enfim. Eu fui pra faculdade. Ela começou a namorar. As conversas foram ficando cada vez mais escassas, tanto que hoje eu nem lembro qual foi a última vez que nos falamos. Mas lembro que, no ano passado, em um dos nossos raros contatos, ela me disse coisas que me assustaram. Aquela minha amiga que amava shows, que era minha companheira de aventuras, como ela mesma dizia, me falou que não saía pra shows ou festas desde 2010. E que, agora, só iria se fosse em um show específico, e se pudesse ficar sentada. Depois de várias outras frases como essa, ela me perguntou se eu não estava com ninguém. Respondi que não e tive que ouvir: “Ah, Fê, mas relaxa. Quando você encontrar o cara certo, você também vai sossegar”.

Eu nunca cheguei a responder isso direito pra ela. Acho que eu devo ter soltado só um haha, tá bom. Mas olha, se você estiver lendo (e você vai saber que eu tô falando da gente), aqui vai o que eu realmente penso: Desculpa, mas eu não quero essa vida, não.

Isso vale não só pra essa minha amiga, mas pra todas as pessoas que namoram e acham que estão um série acima na ~escola da vida~. Um dos xingamentos, observações ou ataques mais infelizes que podem ser feitos a alguém é falar pra pessoa que ela é pior, mais sofrida ou sei lá o que só porque ela não tem namorado(a). A Hannah diz isso pra Marnie em Girls e, pra mim, é o segundo pior insulto do entretenimento (o primeiro é a Tai falando pra Cher em As Patricinhas de Beverly Hills que ela é “a virgin who can’t drive”. Passei muitos anos me sentindo mal e levando essa frase para o pessoal). Eu vejo isso como um julgamento completamente superficial e imbecil, porque 1) vamos lá, dá pra quebrar uma pessoa com mais propriedade e 2)ser solteira(o) não é nem nunca foi necessariamente sinal de recalque, incapacidade, infelicidade. Vocês, que hoje namoram, deviam saber. Ou nasceram já com o status marcado como relacionamento sério? Não, né? Ah tá.

Eu defendo muito essa ideia, e nem é por lamentar ter perdido a minha amiga pro namorado dela. É porque, enquanto hoje eu não consigo mais enxergar a identidade dela sem o boy, eu também não consigo nem me imaginar no lugar uma dessas pessoas que imendam um namoro no outro ou namoram há 74684376583 anos. E não é porque eu não gosto de namorar. Já me apaixonei mais de uma vez, sei como gostar de alguém é uma coisa surreal, adoro tudo isso que a paixão dá na gente (inclusive as vergonhas de ouvir música da Taylor Swift pensando no cara e ficar vermelha quando alguém apenas fala dele). Mas a maior parte da minha vida eu passei solteira sim, sozinha também, e essa é a visão de mundo que eu aprendi a ter. Me orgulho dela e não gosto de como as pessoas comprometidas às vezes se esquecem de como é isso e perdem completamente a noção pra se relacionar fora de seus relacionamentos amorosos.

Eu tenho certeza que, se você namora e achou todo esse meu blablabla até agora um pouco ofensivo, já tá me chamando de recalcada. Mas gente, é sério. Me deu vontade de fazer esse texto porque eu sei que não sou a única solteira que se incomoda com isso. E porque já estamos em 2013, o Dia dos Namorados tá chegando e eu acho que já está na horas de vocês desgrudarem suas mãozinhas e colocá-las em suas consciências.

Se eu falo que adoro a minha vida de solteira, eu não sou recalcada. Vai ver eu tô de boa mesmo, juro que é possível. Se eu falo que prefiro ficar sozinha do que ser a namorada de fulano, eu não sou recalcada. Vai ver eu apenas sei que não é amor, é cilada. Se eu falo que não estou interessada em uma vida pacata e reservada de casal, eu não sou recalcada. Vai ver esse apenas não é o estilo de vida que eu curto ou que eu to a fim de ter nesse momento. Eu deito a minha cabeça no travesseiro com muita tranquilidade sabendo que essas questões estão bem resolvidas. E que há, sim, uma certa dignidade em estar sozinha e não ter medo disso. Muito mais dignidade que muito namoro por aí. Mas eu não estou aqui pra julgar. Você também não deveria.

Não me leve a mal, eu não estou seca nem tenho o coração gelado. Quero que um dia apareça alguém legal para levar a vida comigo, pra eu poder postar foto no instagram com uma legenda bem brega e não estar nem aí pra isso, pra poder me colocar no ombro em shows (mentira, não quero isso, não. Coloquei essa frase aqui só pra alertar os namorados: não façam isso. É escrotice com a galera). Também não odeio os casais (só alguns, porque não dá, desculpa Deus). Pelo contrário, tem uns que eu amo, que sou mega fã, que torço pra não se separarem nunca. Hoje eu não sou parte de um casal tão fofo assim, mas um dia espero ser. Porque os tempos mudam, os status mudam e as opiniões mudam também, por que não? Mas eu espero sinceramente que um relacionamento não mude o melhor do meu jeito solteira de ser e que eu nunca me esqueça o quanto é legal ser #teamsingle. Porque é mesmo. Pode acreditar que não é recalque.

E me deixem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s